Resenha: Um bonde chamado desejo - Tennessee Williams.

Sinopse:Um triunfo na literatura, no teatro e no cinema. Assim se consagrou "Um bonde chamado Desejo", peça escrita pelo americano Tennessee Williams. Desde sua publicação em 1947, foi aclamada na literatura com o prêmio Pulitzer, no teatro com a magistral interpretação do então novato Marlon Brando e no cinema com o estouro de bilheteria que foi o filme de Elia Kazan.
"Um bonde chamado Desejo" é o retrato de uma sociedade decadente, personificada por Blanche DuBois, uma bela mulher que volta para a casa da irmã por não ter mais para onde ir. À beira da loucura, traumatizada e sofrida, ela entra em confronto com o mundo rude e viril do cunhado, Stanley Kowalski. Essa tensão, estabelecida entre o refinamento e a brutalidade, mostra uma família em ruínas num mundo conflituado, sem lugar para o amor e para a sensibilidade.


- Entre tantas críticas sobre essa obra que é escrita como roteiro, cita-se o contexto histórico decadente onde a história se passa. Eu não consegui enxergá-la, pois o enredo parece se permanecer atual.
Realmente há um bonde chamado desejo, e é este bonde que leva Blanche DuBois até New Orleans na casa de sua irmã Stella Kowalski e seu marido Stanley Kowalski. Blanche, por razões misteriosas, vai passar um tempo na casa da irmã, e durante sua estadia começa a perceber problemas na relação do casal anfitrião. Stanley é um polonês de aparência e gestos rudes descritos como animalescos, que agride fisicamente Stella. Durante todo o livro, pensa-se que o problema reside na relação do casal, porém percebemos que Blanche é o retrato de uma mulher fútil que se agarra a juventude que rapidamente se desgarra de seu corpo e da riqueza que some no fundo de seus bolsos. Blanche tem razões que a levam aquela visita, e uma delas é informar que perdera a grande fazenda da família, entre outras razões que se confundem entre verdades e mentiras a ponto da própria personagem se perder entre elas.

A irmã de Stella é uma pessoa tão presa a aparência que só se encontra com as pessoas à noite e em lugares escuros, para que ninguém veja sua beleza e jovialidade anoitecerem em seu rosto e corpo. As roupas pomposas dela contrastam com o que ela realmente é, ela é perseguida por lembranças assustadoras que a apodrecem por dentro. Toda sua participação na história deixa um ar de dúvida sobre sua reputação. Stanley não nutre nenhuma dúvida sobre a cunhada, pois investiga sua vida e a atormenta para que deixe seu lar. Mas o livro deixa no ar uma situação dual entre os dois que cada leitor entenderá como quiser.
As cenas do livro são muito bem descritas e envolvem muitas vezes música para dar o tom da cena, o que chega a ser encantador. Um bonde chamado desejo poderia ser a história de uma família qualquer do século XXI, onde um casal problemático tenta manter as aparências por conta de um amor desmedido e selvagem, onde uma mulher fantasia em ser salva da ruína que se encontra e pronta para encontrar um homem rico que sustente tudo que ela foi um dia: rica, bonita e jovem.

Por : Thayane Gaspar 

3 comentários:

  1. Muito boa a resenha Thay ;]
    Um bonde chamado desejo é exemplo para várias abordagens no teatro, em universidades ou cursos de atuação.
    Beijão ;]

    ResponderExcluir
  2. Apenas uma nota. O filme foi inicialmente censurado nos EUA, sendo durante alguns anos “um marco histórico na luta contra a censura cinematográfica”. Tudo por causa de 3 minutos de filme. Presentemente existe a versão original do filme de Elia Kazan, onde estão incluídos esses três minutos de película inédita, na qual fica clara a química sexual entre Blanche DuBois (Vivien Leigh) e Stanley Kowalski (Marlon Brando), e a profunda paixão de Stella Kowalski (Kim Hunter) pelo seu marido Stanley.
    Gostei imenso do seu texto. Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ricardo! Não sabia dessa polêmica não, gostei da informação. No livro realmente dá a entender que eles dois se envolvem, mas no filme a cena foi bastante leve sem vestígios dessa relação. Mas isso sempre acontece com os melhores artistas, são censurados pela sua arte.
      Obrigada por ter lido a resenha! Volte no blog mais vezes! Abs!

      Excluir